top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

É NECESSÁRIO PENSAR NO PÓS REFORMA TRIBUTÁRIA

Temos no link abaixo matéria do Grupo Bahia Associados publicada no site Panorama de Negócios.


Trata-se da abordagem sobre os cuidados pós a Reforma Tributária.

Buscamos na matéria trazer à discussão aspectos de ordem econômica e financeira que estão, atualmente registrados nos ativos das empresas, como é o caso de saldo credor de tributos que tem como proposta a incorporação por um único tributo. Temos também o investimento que as empresas realizaram em termos de infraestrutura sistêmica para atender os parâmetros de controle de sua matriz e de coligadas em termos globais, associados aos parâmetros legais exigidos pelos Fiscos locais em suas esferas de atuação (federal, estadual e municipal), como é o caso do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital).


Outro aspecto interessante para o qual propomos um comparativo, visando não cairmos na mesma seara de insegurança legal que temos em alguns casos atuais (ICMS na base de cálculo do PIS e Cofins), ou seja, o material anexo é um alerta se situações, cuidados e ações para os quais devemos ter atenção durante e pós a Reforma Tributária


Mesmo com a proposta de tempo para a implantação da Reforma, seja ela de 10, 15 ou 20 anos é necessário que tenhamos contemplado nesses prazos, independente de qual será ele, o investimento que as empresas realizaram até hoje, para atender obrigações acessórias fiscais e tributárias nas esferas federal, estadual e municipal, o SPED como exemplo, e os ativos que elas mantem em saldos credores de tributos que poderão deixar de existir por incorporação.


Boa leitura!


https://www.panoramadenegocios.com.br/e-necessario-comecar-a-pensar-no-pos-r eforma-tributaria/

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page