top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A BUSCA JUDICIAL PELO ADIAMENTO NO RECOLHIMENTO DE IMPOSTOS

Em nossos informativos de 27/03/2020 (A Demora de Ações e Decisões Faz com que  Empresas Busquem Alternativas) e 01/04/2020 (Mais uma vez Empresas Buscam Judicialmente o Adiamento de Pagamentos de Impostos), abordamos as alternativas exploradas pelas empresas com suporte em decisões judiciais para terem o adiamento de recolhimento de impostos sejam do período de apuração normal, sejam de parcelamentos.

A princípio o foco dos pleitos estava na esfera federal e na esfera estadual, mas há decisões sobre esse tema para impostos no âmbito municipal como o ISS e o IPTU.

Uma dessas decisões cita o artigo 170 da Constituição Federal como suporte  a análise realizada,  mencionando a ordem econômica fundada na valorização do trabalho humano, na livre iniciativa, com a segurança da existência digna, base em alguns princípios estando entre eles a busca do pleno emprego, que é um dos objetivos pelo qual labutamos no momento atual.

Também nessa linha o Tribunal Federal Regional da 1ª Região concedeu liminares para contribuintes patrocinadores de ações, terem adiados prazos de recolhimentos de tributos federais, inclusive recolhimentos de parcelamentos.

A Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – PGFN _  além do time de Procuradores voltado a derrubar as liminares que beneficiam os contribuintes, apresenta como um dos argumentos componente de sua tese que “a suspensão da exigência de tributos onera um orçamento e frusta uma política pública que precisa atender um problema geral”.

Decisões em segunda instância revogando liminares obtidas em primeira instância indicam que cabe ao legislador editar legislação destinada a auxiliar determinada categoria que pleiteou o adiamento de recolhimento de tributos. Em resumo o contribuinte sem faturar, com despesas em andamento, com dívidas vencendo e a vencer, com dificuldades em obter linhas de créditos apesar das divulgações que elas existem e estão a disposição, deve aguardar publicação de norma legal que o autorize a postergar a data de recolhimento de tributos, isso na aparência de que na atual crise há recursos para honrar esses compromissos todos inclusive com o Fisco.

Complementando a informação,  a Justiça do Estado de São Paulo negou liminar a FIESP – Federação das Industrias do Estado de São Paulo, para a suspensão de recolhimento de tributos estaduais, aos seus associados (nosso informativo de 01/04/2020). A justificativa para a recusa é que a decisão não é necessariamente verdadeira para todas as empresas afiliadas da entidade, e como indicou a Procuradoria do Estado, para muitas empresas a solicitação é desnecessária e para outras é insuficiente.

Resta aos contribuintes aguardarem a manifestação do legislador concedendo essa prorrogação de prazo e caso ela não ocorra, para aqueles contribuintes no rol dos que estarão em situação de insuficiência, recorrer a Justiça para obter a tão aguarda prorrogação aliviando seu caixa e tendo mais um componente para reequilibrar seu orçamento.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Bình luận


bottom of page