top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A DECISÃO FINAL SOBRE O ICMS COMPOR A BASE DE CÁLCULO DO PIS E COFINS

O STF – Supremo Tribunal Federal - finalizou ontem o julgamento sobre o ICMS compor a base de cálculo do PIS e da COFINS.


A finalização do julgamento, analisou os embargos de declaração que a PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – propôs no final de 2017, quanto a modular a aplicação da decisão do STF de 15/marco/2017, e também definir qual ICMS deve ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS, o destacado em Nota Fiscal ou o recolhido.


O temor da modulação para contribuintes e para a União ficou no meio termo, ou seja, os efeitos da decisão do STF de 15/março/2017, ocorrem para todos os contribuintes, exceção a essa aplicação são os contribuintes com as ações judiciais, ou mesmo processos administrativos, protocolados antes desta data (antes de 15/março/2017).


Assim, conclui-se desse julgamento, que todos os contribuintes podem usufruir dos efeitos da decisão, recolhendo PIS e COFINS sem considerar o ICMS em suas bases de cálculos a partir de 15/março/2017.


Os contribuintes que possuíam ações já em trâmite em 15/março/2017, poderão atualizar os efeitos da decisão com base em cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação. Com isso, essa empresa, poderá realizar a compensação de PIS e COFINS pagos neste período (a partir de cinco anos anteriores a data de ajuizamento da ação).


Já os contribuintes que ajuizaram ação após 15/março/2017 terão direito a utilização do que foi pago a mais somente a partir desta data (15/março/2017).


Uma das questões que ainda é dúvida refere-se as empresas que entraram com ação após 15/março/2017 e tem decisão já com transito em julgado, retroagindo os créditos a cinco anos, ou seja, retroagido a antes de 15/março/2017. Pela decisão esse crédito é possível somente a partir de 15/março/2017, provavelmente teremos, nesses casos, algum movimento da Receita federal para exigir possível ressarcimento a maior.


Quanto ao ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS, foi definido que ele é o destacado em Nota Fiscal e não o recolhido.

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page