top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E A NECESSIDADE DE ACOMPANHAMENTO DOS REGISTROS FISCAIS, CONTÁBEIS E FINANCEI

A evolução das ferramentas tecnológicas e o resultado do que elas disponibilizam de informações aos seus usuários é interessante e importante quanto a  acompanhamento, pois há uma visão clara de integração desses resultados no dia a dia das empresas e pessoas, tendo como ponto principal a definição de resultado da operação e a identificação do quanto de obrigações de bônus ao cliente  e/ou usuário a operação gerou e quem deve quitá-lo.

A identificação desses bônus no mercado pode ocorrer como programa de pontos, ou pontos por consumo, ou remuneração por uso, mas o importante e a sua finalidade atrelada a fidelização do cliente.


A questão comercial é ponto fundamental na abordagem e tem vinculação direta na análise quanto ao fato de descontos isolados, por vezes, alcançarem consumidores que não dão importância a ele, são considerados os descontos sem retorno, ou o esforço comercial desperdiçado  “versus” o desconto adquirido por fidelização ao uso do serviço, ou, da marca gerando essa fidelização o direito a bonificação.

Outro item importante nessa estrutura de informação é a capacidade tecnológica da empresa, ou o perfil do parceiro especialista na área de tecnologia que vai desenvolver a ferramenta para esse controle.


O controle envolve aspectos  relacionados ao meio e forma de pagamento, a geração do direito ao bônus, prazo em que o mesmo fica em  aberto,  sua valorização e sua quitação. Esses dados não podem ficar atrelados somente a esfera financeira gerencial do controle, mas também, e de forma indissociável devem considerar aspectos fiscais, tributários e contábeis do que a operação tem de impactos patrimoniais atrelados a obrigação de quitar o bônus ou o direito adquirido pelo cliente usuário fidelizado quanto a ele – bônus – e o impacto no resultado da operação pelo surgimento dessa obrigação perante o cliente. Há também a questão da transferência da responsabilidade de quitação desse direito (bônus) a terceiro que tenha interesse nessa quitação, transferência essa que ocorre mediante uma remuneração por assumir uma responsabilidade de terceiro, ou seja, o fato de assumir uma obrigação que era de terceiro merece ser remunerado gerando uma receita que, via de regra, tem enquadramento como outra receita operacional para quem recebe e para quem paga tem enquadramento como despesa operacional. Sendo esses os enquadramentos utilizados por ambas empresas, temos impactos tributários na operação a serem bem avaliados pelos envolvidos.


Esses fatos todos que tem relação direta com a evolução da tecnologia aplicada aos meios eletrônicos de pagamentos e a fidelização do consumidor a determinada marca, estabelecimento, ou produto é um investimento que deve ser muito bem administrado por quem adquiriu seu direito (consumidor) e por quem deve quitar o mesmo, mas sempre considerando os impactos tributários e contábeis da operação, suportados em registros que tenham a mesma clareza de informações das  ferramentas sistêmicas usadas para os  controles financeiros gerenciais disponibilizados aos usuários e gestores das operações.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

ความคิดเห็น


bottom of page