top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA FINS DE CLASSIFICAÇÃO FISCAL

Em nosso informativo de 02/fevereiro/21 tratamos do tema “Classificação Fiscal de Mercadorias”.


Comentamos ser o assunto importante para as empresas de forma geral, pois além da identificação da mercadoria para fins de comércio exterior e para fins de venda local, o impacto significativo está na vinculação da classificação fiscal com a questão tarifária do produto ora classificado, ou seja, qual a sua carga tributária e a sua composição de custo e de preço de venda.


Citamos o tema sobre classificação fiscal estar chegando ao CARF Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, objetivando a análise do correto posicionamento entre Fisco e Contribuinte sobre quanto a correta classificação fiscal de determinadas mercadorias, é importante pois mostrar a dinâmica das empresas em ação regular de classificar bem os seus produtos atendendo parâmetros técnicos, tecnológicos, de composição, de uso, de apresentação e forma, e transformando todos eles em validadores que atendem a legislação atrelada ao assunto, ou seja, classificar com bases legais, concretas, considerando todos esses aspectos materiais do item, e outros que possam ser utilizados na atividade.


No dia a dia, são muitos os exemplos sobre a dinâmica do assunto. Por exemplo, a classificação de kits, ou a classificação fiscal de sortidos, ou a compra de um produto totalmente desmontado mas com todas as peças para a sua montagem e pleno funcionamento, ou seja, na realidade a operação comercial contempla o produto montado, a desmontagem pode ser uma facilidade de transporte. Existem regras que devem ser seguidas para a correta classificação de mercadorias - regras gerais do sistema harmonizado (RGSH) e as notas explicativas do sistema harmonizado (NESH). Assim a classificação de mercadorias e matéria ampla, complexa, segue padrão mundial, e é de importância vital para a empresa.


Ultimamente temos visto divulgações que trazem exemplo disso. Uma delas trata de empresa que fez planejamento tributário voltado a identificação do produto, e revisão de sua classificação fiscal, de forma a ter redução significativa do IPI (do que era 5% e hoje é 3,5% para 0%) pois passou a identificar e classificar bombom como wafers. Em termos de classificação fiscal o bombom está na posição 1906 que identifica chocolate e outras preparações alimentícias que contenham cacau (atualmente 3,5% de IPI). A wafers está na posição 1905 que identifica produtos de padaria, pastelaria ou da indústria de bolachas e biscoitos, mesmo adicionados de cacau (atualmente 0% de IPI).


Outra divulgação interessante trata de uma grande rede de fast food que esta alterando o nome do produto oferecido aos clientes de sorvete para sobremesa. A redução do IPI é a mesma. O sorvete está na posição 2105 que identifica sorvetes (gelados) mesmo contendo cacau (atualmente 3,5% de IPI). A sobremesa está na posição 2007 que identifica doces, geleias, purês, pastas de frutas obtidas por cozimento, mesmo com adição de açúcar ou de outros edulcorantes (atualmente 0% de IPI).


O assunto é dinâmico, envolve várias áreas da empresa, desde engenharia a vendas, e deve ser tratado com o devido cuidado e atenção.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page