Buscar
  • Grupo Bahia & Associados

A POSSIVEL TRIBUTAÇÃO SOBRE DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS

O Projeto de Lei de número 2640/2020 que tramita na Câmara dos Deputados trata de proposta de alteração do artigo 10 da Lei de número 9249/1995.


Esse artigo no seu texto atual diz o seguinte:


(......)


Art. 10. Os lucros ou dividendos calculados com base nos resultados apurados a partir do mês de janeiro de 1996, pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado, não ficarão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte, nem integrarão a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário, pessoa física ou jurídica, domiciliado no País ou no exterior.


(......)


A proposta de alteração, ocorre de forma que caso evolua, o artigo 10, terá o seguinte texto:


(......)


“Art. 10. Os lucros e dividendos pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado que beneficiem pessoa jurídica ou física, domiciliados no País ou no exterior, integrarão a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário, e estarão sujeitos à incidência do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF), calculado à alíquota de 15% (quinze por cento).


Assim o P.L. em questão trata de apresentar proposta para que tenhamos a tributação de lucros e dividendos pelo Imposto de Renda, na modalidade de tributação na fonte.


Complementa a proposta a indicação de que essa tributação será considerada antecipação do imposto devido conforme a real apuração do período de apuração no qual o beneficiário pessoa física teve seu recebimento, e para as empresas sua disponibilização ou recebimento, e também a indicação de que se o beneficiário estiver localizado em chamados paraísos fiscais a tributação será de 25%.


O P.L. número 2640/2020 é datado de 15 de maio de 2020, não apresenta trâmite de urgência, ou seja, o regime de tramitação é ordinária, suas últimas movimentações ocorreram no dia 03 de novembro de 2020 com o pedido de juntada do mesmo ao P.L. de número 3241/2015 que trata do mesmo assunto, e em 04 de novembro de 2020 para a publicação no Diário da Câmara dos Deputados.


A justificativa para a proposta, conforme consta nessa publicação é “.... Diante da necessidade de se apresentar propostas no campo tributário para o enfrentamento da crise econômica e fiscal, desencadeada pela calamidade de saúde pública que estamos enfrentando – a pandemia da Covid-19 – ressaltamos que o grande desafio do Estado brasileiro será conciliar o aumento expressivo de demandas da sociedade com a inevitável queda de arrecadação, fruto da abrupta redução da atividade econômica.....” .


Complementando essa justificativa temos mais a seguinte colocação “.....Uma das medidas que se impõem, de imediato, é a extinção do regime tributário que foi instituído em 1995, favorecendo o pagamento de lucros e dividendos, tanto a pessoas físicas e jurídicas sediadas no País quanto no Exterior.....”.


Como as propostas anteriores (dez no total) com o mesmo objetivo estão em tramitação no Congresso e não prosperaram, temos mais essa do P.L. 2640/2020, apresentando, agora, como justificativa principal para apreciação do tema a “pandemia da COVID-19”.


Como nas propostas anteriores, não há forma de prever o tempo para a análise da medida, que teve até, indicação para ser um dos componentes da reforma tributária.


Fator importante na proposta do P.L. é a indicação de que, se aprovada, a Lei resultante do mesmo, entra em vigor no primeiro dia do exercício seguinte ao de sua publicação.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais um tema que irá trazer apreensão ao mercado e principalmente aos profissionais da área de saúde e a instituições que atuam na área. A Lei de número 14434/2022 definiu um piso mensal de salário na

Em nosso informativo de 31/julho/2022 tratamos da publicação do Decreto de numero 11158/2022 que trouxe alterações a TIPI (tabela de incidência do IPI) quanto as alíquotas desse imposto. Comentamos qu

O Senado Federal aprovou a Medida Provisória de numero 1108/22 que trata, entre outros temas, do teletrabalho e da jornada de trabalho reduzida nos casos de calamidade pública. A diferença entre essa