top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A REDUÇÃO DOS JUROS, A VARIAÇÃO CAMBIAL, E OS AJUSTES ORÇAMENTÁRIOS DAS EMPRESAS

Os juros mais baixos no Brasil, não são atrativos para o capital externo quanto aos investimentos voltados a renda  fixa, resultando, em termos o dólar em nível mais alto, suportado pela saída de recursos do país. As perspectivas de redução de juros (redução da SELIC) consequentemente trazem aceno para o mercado, da pouca atratividade para as  rendas fixas. Soma-se a isso,  o momento “coronavirus’,  que não só afetou a sociedade e as atividades econômicas no geral, como também, fez com que lampejos de reformas econômicas, em análise no Legislativo, que traziam esperanças de boas perspectivas quanto a  “arrumação da casa” no que se refere a boa administração de orçamento público,  fossem deixados em segundo plano, e finalmente temos a conturbada relação entre Poderes da República, ou seja, esse apanhado de situações e fatos, prejudica a captação e entrada de recursos, afetando a valorização do real. Difícil ter a simpática de investidores com esse cenário. A crise do “coronavirus” trouxe a tendência geral de juros baixos, e ai entram os fatores segurança e confiança do investidor como variáveis  que lastreiam a boa economia

Isso tudo é verificado com a desvalorização cambial do primeiro trimestre que chegou praticamente a 29%,  e no ano, até hoje, em aproximadamente 45%. Dessa forma, as empresas que dependem, em suas operações, de insumos importados, devem estar atentas para a questão cambial, além de administrar variáveis internas seja de mercado, seja operacional, seja de relação laboral, seja de quarentena, ou outras quaisquer, devem estar antenadas com o impacto dessa variação cambial em suas operações, e nos seus resultados.

A evolução natural da relação “SELIC _ dólar”, é a redução da SELIC e consequente redução de juros, causar o aumento do dólar. Aqui, as empresas que têm esse uso de itens importados em suas operações devem ter a atenção redobrada, pois a indicação do Copom  - Comitê de Politica Monetária, é de que poderemos ter mais reduções da SELIC chegando a 2,75%. Dessa forma as projeções do dólar, por exemplo, para dezembro/2020, indicam a cotação média em R$ 6,88 e a máxima em R$ 6,92.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page