top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

AGORA É A VEZ DE SE ANALISAR O ISS ( BASE DE CÁLCULO PIS E COFINS)

Atualizado: 16 de ago. de 2021

O Supremo Tribunal Federal – STF colocará para julgamento entre os dias 20 e 27 deste mês de agosto, a questão relacionada ao ISS – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, compor, ou não, a base de cálculo do PIS e da COFINS.


Já há um voto a favor dos contribuintes para essa questão (ISS não faz parte dessa base), que foi dado pelo relator do processo, o Ministro Celso Mello, que não faz mais parte dos quadros do STF. Após o seu voto, na época (agosto/2020), foi solicitada vistas ao processo pelo Ministro Dias Toffoli, voltando, agora, o processo a ser pautado para julgamento em plenário virtual.


A questão é uma das principais teses chamadas, como “tese filhote” a questão definida no ultimo mês de maio, também pelo STF quanto ao ICMS não compor a base de cálculo do PIS e da COFINS.


A expectativa é que o julgamento caminhe para a mesma solução relacionada a questão do ICMS, já que em termos comparativos o que há de diferente na abordagem e argumentação, é o ICMS ser de competência estadual e o ISS der de competência municipal. Apesar desse direcionamento, também, temos duas outras teses, que caminham por essa linha de argumentação e que não foram recentemente aceitas pelo STF quanto ao ICMS e ao ISS, não fazerem parte da base de cálculo da CPRB – Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta. Nesses outros julgados os Ministros do STF entenderam que a CPRB já é um benefício, e a alteração do cálculo da mesma (CPRB) daria aos seus contribuintes benefício maior do que o pretendido pela legislação.


Assim, as empresas estão, mais uma vez, no aguardo da decisão do STF sobre essa questão (ISS não compor a base de cálculo do PIS e da COFINS) o que pode trazer para o Governo Federal mais um custo da ordem de aproximadamente R$ 33 bilhões.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page