top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ALTERAÇÕES À VISTA PARA O ISS

O Projeto de Lei Complementar de numero 170/2020 foi aprovado pelo Senado Federal na última semana.

Esse projeto de Lei Complementar propõe alterações relacionadas ao ISS – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.

Basicamente o Projeto trata da criação do Comitê Gestor das Obrigações Acessórias do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, que tem como objetivo a padronização de obrigações acessórias de alguns serviços relacionados no anexo Lei Complementar de número 116/2003 como sujeitos ao ISS. Essa Lei Complementar numero 116/2003 é a que trata das disposições gerais do ISS.

Esses serviços específicos são: (i) planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e congêneres; (ii) outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados, credenciados, cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário; (iii) planos de atendimento e assistência médico-veterinária; (iv) administração de fundos quaisquer, de consórcio, de cartão de crédito ou débito e congêneres, de carteira de clientes, de cheques pré-datados e congêneres; (v) arrendamento mercantil (leasing) de quaisquer bens, inclusive cessão de direitos e obrigações, substituição de garantia, alteração, cancelamento e registro de contrato, e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing).

Esse Projeto de Lei Complementar, também determina que para as atividades de “arrendamento mercantil (leasing) de quaisquer bens, inclusive cessão de direitos e obrigações, substituição de garantia, alteração, cancelamento e registro de contrato, e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing)”, para fins de ISS, o local da prestação de serviços é do domicílio do tomador de serviços.

Para os serviços referentes a planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e congêneres; e outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados, credenciados, cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário, o Projeto indica que o tomador do serviços é a pessoa física beneficiária vinculada a operadora por meio de convênio ou plano de saúde.

Já, para os serviços de administração de cartão de crédito ou débito, o Projeto define que o tomador dos serviços é o primeiro titular do cartão. Para os serviços relacionados a administração de fundos e clubes de investimento, o tomador de serviços é o investidor em nome do qual as operações são realizadas. Para os serviços de administração de consórcios, o tomador de serviços é o consorciado.

Para os serviços relacionados a arrendamento mercantil, o Projeto define como tomador de serviços o arrendatário quando pessoa física, ou, a unidade beneficiária da pessoa jurídica.

O Projeto de Lei Complementar determina que, para os serviços acima relacionados, a contar da data de publicação da Lei Complementar a que se refere o mesmo, até o último dia útil do exercício financeiro de 2022, haverá a partilha da arrecadação do ISS entre o Município do estabelecimento prestador de serviços, e o Município do tomador de serviços. A partilha proposta, indica que até o final de 2020 66,5% da arrecadação ficará com o Município do Prestador de serviços, no exercício de 2021 ficara com o Município do prestador de serviços 33,5%, dessa arrecadação, e em 2022 o percentual equivalente a 15%, sendo que a partir de 2023 o total da arrecadação ficará com o Município de domicílio do tomador de serviços.

O Projeto de Lei Complementar seguiu para sanção presidencial.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

PIS - COFINS E O ICMS-ST

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça – STJ,  por decisão unânime, em julgamento de recurso repetitivo, ou seja, com decisão base para instancias inferiores do Judiciário, entendeu pelo não aprov

AUTODECLARAÇÃO DE ORIGEM

Conforme mencionamos em informe anterior  (NOVO REGIME DE ORIGEM – MERCOSUL), os membros desse mercado comum,  decidam por adotar o método de comprovação de origem identificado como autodeclaração _ a

NOVO REGIME DE ORIGEM - MERCOSUL

O Decreto de número 12058/24, tratou do 218º Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica número 18 do MERCOSUL,  firmado entre Brasil, Argentina, Paraguai, e Uruguai. Esse Protocolo Adic

Comments


bottom of page