top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

Alterações no PIS e na Cofins de Importações

Conforme já  amplamente divulgado, seek  o  Governo Federal, there em busca de alternativas reequilíbrio fiscal e de atingir a meta de superávit primário de 1,2% do PIB para 2015 busca implementar uma de suas medidas  já comentadas.  Essa medida fica por conta da alteração das alíquotas do PIS e da Cofins na Importação. A Medida Provisória 668 datada de 30/01/2015 e que trará efeitos práticos, para as questões relacionadas ao PIS e a Cofins Importação,  a partir do  primeiro dia do quarto mês seguinte a sua publicação, ou seja, a partir do mês de maio/2015, traz as seguintes determinações: (a)     A alíquota do PIS Importação fica alterada de 1,65% para 2,1%; (b)   A alíquota do Cofins Importação fica alterada de 7,6%  para 9,65%; (c)    As remessas financeiras relacionadas a  pagamentos por de prestações de serviços ficam mantidas em 1,65% PIS Importação e 7,6% Cofins Importação; (d)   Como nas legislações originais que tratam do PIS e da Cofins na importação, alguns produtos específicos, identificados por NCM  terão alíquotas diferenciadas. São eles:

  • Produtos farmacêuticos, classificados na NCM com as s posições 30.01, 30.03, exceto no código 3003.90.56, 30.04, exceto no código 3004.90.46, nos itens 3002.10.1, 3002.10.2, 3002.10.3, 3002.20.1, 3002.20.2, 3006.30.1 e 3006.30.2 e nos códigos 3002.90.20, 3002.90.92, 3002.90.99, 3005.10.10, 3006.60.00, terão o PIS Importação em 2,76% e o Cofins Importação em 13,03%;

  • Produtos de perfumaria, de toucador ou de higiene pessoal, classificados na NCM com as  posições 3303.00 a 33.07, exceto na posição 33.06; e nos códigos 3401.11.90, exceto 3401.11.90 Ex 01; 3401.20.10; e 9603.21.00 terão o PIS Importação em 3,52% e o Cofins Importação em 16,48%;

  • Máquinas e veículos, classificados nos códigos (NCM) 84.29, 8432.40.00, 8432.80.00, 8433.20, 8433.30.00, 8433.40.00, 8433.5, 87.01, 87.02, 87.03, 87.04, 87.05 e 87.06  terão o PIS Importação em 2,66% e o Cofins Importação em 12,57%;    

  • Produtos classificados nas posições da  NCM  como 40.11 (pneus novos de borracha) e 40.13 (câmaras-de-ar de borracha), da NCM   terão o PIS Importação em 2,88% e o Cofins Importação em 13,68%;

  • Produtos identificados como  autopeças, relacionadas nos Anexos I e II da Lei no 10.485/02, exceto quando a importação for realizada pela pessoa jurídica fabricante de máquinas e veículos relacionados no art. 1o da Lei n° 10485/02 terão o PIS Importação em 2,62% e o Cofins Importação em 12,57%;

  • Papel imune a impostos de que trata o art. 150, inciso VI, alínea d, da Constituição Federal, ressalvados aqueles a serem tributadas com alíquota zero (NCM – 4801.00.10, 4801.00.90, 4802.61.91, 4802.61.99, 4810.19.89 e 4810.22.90) terão o PIS Importação em 0,95% e o Cofins Importação em 3,81%;

A Medida Provisória em questão, com relação as possibilidades de créditos referentes ao PIS e a Cofins Importação,  enfatizou que a apuração dos mesmos (dos créditos) devem atender, as alíquotas aplicáveis, ao pagamento no desembaraço. Também acrescentou que o IPI quanto integrante dos custos de importação fara parte da base para esse cálculo. Já, com relação a produtos que tenham tratamento específico com relação a tributação do PIS e da Cofins, como por exemplo: produtos farmacêuticos, perfumaria, toucador ou higiene pessoal, veículos, pneus novos câmaras e ar, embalagens para refrigerantes e cerveja, gasolina, auto peças, papel imune álcool inclusive carburante – o crédito a ser aplicado nas importações é possível quando os mesmos forem destinados a revenda aplicando-se para fins do crédito a alíquota a ser utilizada quanto das  vendas dos respectivos  produtos no mercado interno. Com relação ao adicional de  um ponto percentual  aplicável a Cofins Importação por conta de importação de produtos, cujas NCMs são contemplas, na desoneração da folha de pagamento a Medida Provisória, manteve a indicação quanto a esse adicional não gerar direito a crédito.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

PIS - COFINS E O ICMS-ST

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça – STJ,  por decisão unânime, em julgamento de recurso repetitivo, ou seja, com decisão base para instancias inferiores do Judiciário, entendeu pelo não aprov

AUTODECLARAÇÃO DE ORIGEM

Conforme mencionamos em informe anterior  (NOVO REGIME DE ORIGEM – MERCOSUL), os membros desse mercado comum,  decidam por adotar o método de comprovação de origem identificado como autodeclaração _ a

NOVO REGIME DE ORIGEM - MERCOSUL

O Decreto de número 12058/24, tratou do 218º Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica número 18 do MERCOSUL,  firmado entre Brasil, Argentina, Paraguai, e Uruguai. Esse Protocolo Adic

Commenti


bottom of page