top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

AS DESPESAS COM PROPAGANDA E A POSSIBILIDADE DE CRÉDITO DE PIS E DA COFINS

Atualizado: 9 de nov. de 2020

O CARF – Conselho Administrativo de Recursos Fiscais proferiu decisão definitiva sobre julgamento de empresa do ramo varejista que recebia dos seus fornecedores a chama verba de propaganda cooperada. A aplicação do julgamento se dá para empresas que apuram o PIS e a COFINS no regime não cumulativo.


A Receita Federal ao analisar a questão no primeiro momento (janeiro de 2020), indicou a ausência de recolhimento de PIS e da COFINS pois considerou esse recebimento (recebimento das verbas de propaganda cooperada) fruto de atividade relacionada a prestação de serviços. Também em preliminar de julgamento o CARF decidiu que a tributação de PIS e COFINS deveria ser mantida, mas sobre ela haveria o direito do crédito. Em análise final do processo essa possibilidade de crédito foi mantida, já considerando a decisão do STJ – Superior Tribunal de Justiça de 2018 que menciona a possibilidade creditamento suportada em aspectos de essencialidade e relevância no desenvolvimento da operação buscando a geração de receita operacional pela empresa. Frise-se que essa análise não pode ser realizada de forma generalizada, deve ser feita caso a caso e com a juntada de todas as provas necessárias relacionadas a comprovar a essencialidade e a relevância dos gastos para a operação da empresa.

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page