Buscar
  • Grupo Bahia & Associados

AS TENDENCIAS DOS MERCADOS ATRELADAS A VARÍAVEL – ESTOQUE

O início abrupto da pandemia, há um ano, não deu chance das empresas, principalmente as do setor de comercio, quanto a programarem a sua estratégia de estoque. Com o tempo, ainda durante a pandemia, essa questão de abastecimento se mostrou como ponto positivo para o setor industrial, pois mesmo com a crise e a demanda de consumo abaixo do esperado, o comercio no geral, teve que buscar reposição de seus estoques e isso ocorreu quase que no mesmo momento para vários segmentos.


Esse cenário, principalmente no segundo semestre de 2020, foi favorável a indústria e projetou boas perspectivas para o próximo ano.


Ocorre que no início 2021, seu primeiro trimestre, esta fazendo com que essa estimativa otimista seja revista com relação a projeções de vendas e plano de negócios da empresa.


O agravamento da pandemia e a demora na política de vacinação são fatores impactantes para isso, mas o peso maior esta direcionado ao preço dos insumos industriais e a sua escassez, ou seja, aos esforços para que não haja o desabastecimento de insumos fundamentais na cadeia produtiva.


Assim, enfatiza-se que no momento atual e nos meses seguintes, visão crítica nos planejamentos estratégicos das empresas e nos seus orçamentos financeiros serão itens que não poderão fugir aos olhos dos seus gestores com alertas para esses pontos vitais como a administração de estoques.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CUIDADOS QUE AS EMPRESAS DEVEM TER PARA 2022

Segue matéria do Grupo Bahia Associados, publicado no Site Contábeis, comentando e apontando cuidados que as empresas devem ter em 2022 para manter um bom planejamento econômico e financeiro de suas o

DISPOSIÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

Em nossos informativos de 11, 16 e 29 de novembro de 2021 tratamos do Decreto de numero 10854/21 que teve como proposta trazer novas disposições a legislação trabalhista. Uma dessas alterações relacio

INFLAÇÃO ACIMA DA META

As justificativas do Banco Central para o encerramento de 2021 com a inflação em 10,06%, ou seja, acima da meta que era de 3,75% com tolerância de 1,5 ponto percentual, esta relacionada aos preços das