top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ATENÇÃO A ESTRATÉGIA DE CONSTITUIR EMPRESA OU ESTABELECIMENTO PARA A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS

Por vezes algumas empresas industriais, buscando agilizar a distribuição dos seus produtos, definem em termos operacionais, ter um centro de distribuição próprio, de forma a constituírem um estabelecimento distribuidor atacadista.


Acompanhamos casos em que essa definição, não se atentou para o impacto do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados, no estudo o que ao final trouxe a necessidade de revisão do projeto relacionado a constituição desse novo estabelecimento.


É natural a aplicação pelo empreendedor, ou, seu gestor do conceito sobre, sendo estabelecimento a constituir, ou, recentemente constituído voltado exclusivamente ao comércio, a sua carga tributário de tributos indiretos está relacionada somente ao ICMS, ao PIS e a COFINS.


Ocorre que a legislação do IPI tem disposições que devem ser observadas quanto a estabelecimentos industriais e estabelecimentos equiparados a industriais. Nesse direcionamento de equiparação, temos situações em que essa legislação, indica ser a mesma obrigatória, e outras situações nas quais a equiparação é opcional.


Assim, estabelecimentos mesmos comerciais, podem ser obrigatoriamente equiparados a industriais, dependendo da estrutura da operação que realizem, ou seja, de onde ou de quem recebem o produto, que produto é esse (NCM – classificação fiscal), qual a quantidade, qual a natureza do produto, com destinação a quem ou para que? Os estabelecimentos comerciais varejistas, tem menos possibilidades de enquadramento como equiparados a industrial, mas ela existe, por exemplo, quando fazem importação direta e revendem esse item importado, já os estabelecimentos atacadistas tem muitas variáveis dessa natureza a analisar.


A questão é que , se o enquadramento do estabelecimento comercial, como equiparado a industrial ocorre, seus controles fiscais, tributários e contábeis devem obedecer essa condição operacional “equiparado a industrial”, o que impacta créditos de impostos por aquisições de mercadorias, respectivos débitos pelas vendas das mesmas, registros específicos, obrigações acessórias específicas, ou seja, apontamentos que reflitam essa equiparação a industrial.


Ponto importante nessa abordagem tem relação, inclusive, no que se refere ao IPI, e o valor tributável mínimo para ele (base de cálculo mínima) que deve ser aplicada a operação quando o industrial ou equiparado a industrial destine produto a outro estabelecimento da própria empresa ou de empresa com a qual mantenha relação de interdependência.


Outros quesitos não menos importantes de análise devem obrigatoriamente fazer parte dela. O ICMS-ST é um deles quanto a possibilidade de estabelecimento responsável pela retenção desse imposto não precisar praticá-la se a mercadoria for destinada a outro estabelecimento da mesma empresa, mas desde que atacadista, e esse sim, se responsabiliza pelo ICMS-ST das operações seguintes. O PIS e a COFINS monofásicos também devem ser observados, considerando a centralização da tributação em industriais e importadores de alguns produtos enquadráveis nessa forma de recolhimento, “dispensando” revendedores atacadistas e varejistas de recolher esses tributos em suas etapas comerciais com esses mesmos itens.


Importante considerar que mediante a complexidade da legislação fiscal-tributária, e a diversidade de formas para se estruturar uma operação comercial, estabelecimento simplesmente comercial, pode ter enquadramento tributário equiparado a industrial, vindo daí condições claras de se gerar contingências a operação por desconhecimento da legislação aplicada a ela, ou até mesmo termos possibilidade de realizar um bom planejamento tributário, não desprezando e sempre atentos aos controles e obrigações fiscais, tributárias, e contábeis de cada um desses enquadramentos operacionais.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

תגובות


bottom of page