top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

AUMENTO DA ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS E O REAQUECIMENTO DA ECONOMIA

O aumento da arrecadação de tributos federais nos dois primeiros meses de 2018 chegou a 11,8% em comparação aos primeiros dois meses de 2017. O valor agora arrecadado foi de R$ 179 bilhões.

Esse aumento nominal foi bem recebido pelo Governo Federal e faz inclusive que algumas propostas de aumento de arrecadação que estão encontrando restrições para serem aprovadas no Congresso, sejam mantidas em segundo plano como é o caso, por exemplo,  da reoneração da folha de pagamento de empresas alocadas em determinados setores da economia.

Esse otimismo, quanto a melhora de fatores econômicos que está sendo confirmado em termos de aumento da arrecadação, faz com que  a previsão de receitas da união para 2018 aumente em mais de RR$ 2,2 bilhões, ou seja, trabalhava-se com um montante de receita total na ordem de R$ 1,460 trilhão e agora esse montante é de R$ 1,462 trilhão.

Esses indicadores mantém previsões otimistas de retomada consistente da economia, o aumento crescente da arrecadação é fator positivo, que não pode ser desprezado, além de favorecer de maneira decisiva as contas do Governo Federal.

Resta as empresas apurar e pagar os impostos com consciência e consistência de que estão pagando o valor correto e justo para as suas operações. Não podem desprezar a estimativa de carga tributária em torno de 35% do PIB (tributos federais, estaduais e municipais), comparativamente, trazendo esses dados para o mundo empresarial é como se tivessem que administrar de forme consistente 35% de suas receitas que de antemão sabe-se será levado aos cofres públicos, isso é muito mais que a margem operacional de muitos negócios. Saber administrar corretamente esse montante de tributos é fundamental para o sucesso de qualquer empreendimento.

Essa matéria e várias outras estão no nosso site no link imprensa.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentarios


bottom of page