top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

CALCULO DA PREVIDENCIA PATRONAL

As empresas devem ficar atentas a tese que começou a ser analisada pelo STJ – Superior Tribunal de Justiça, referente a formação da base de cálculo do INSS Patronal.


Basicamente, do lado das empresas, temos o entendimento quanto a formação dessa base de cálculo ser composta, somente, por valores destinados a retribuir o trabalho do colaborador para com a empresa (alínea “a” do inciso I do artigo 195 da Constituição Federal, e inciso I do artigo 22 da Lei de numero 8212/1991), sendo que dessa forma, não deve fazer parte da mesma, os valores descontados do colaborador referentes a vale transporte, vale alimentação, e plano de saúde.


A Receita Federal, entende que os valores referentes a essas rubricas fazem parte da remuneração do colaborador e não podem ser excluídos da base de cálculo do ISS patronal, que basicamente tem suporte na folha de pagamento, e essas rubricas fazem parte dessa folha.


Já a PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, entende que o STF – Supremo Tribunal Federal, já se manifestou no sentido de que a contribuição social do empregador incide sobre ganhos habituais do empregado, a qualquer título, vindo daí, o alcance do termo folha de salários que é a base para cálculo da referida contribuição.

O Julgamento no STJ pode abrir bons precedentes para as empresas. Importante elas estarem atentas a esse tema.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Commentaires


bottom of page