top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

CLASSIFICAÇÃO FISCAL DE MERCADORIAS

O assunto é importante para as empresas de forma geral, pois além da identificação da mercadoria para fins de comércio exterior e para fins de venda local, o impacto significativo esta na vinculação da classificação fiscal com a questão tarifária do produto ora classificado, ou seja, qual a sua carga tributária e a sua composição de custo e de preço de venda.


Importante o posicionamento da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) , em recente manifestação sobre o tema quando disse que a matéria classificação fiscal em importação é “casuística” sendo resolvida conforme as circunstâncias de cada caso concreto.


O fato do assunto estar chegando de forma mais abundante ao CARF Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, para análise do correto posicionamento entre Fisco e Contribuinte sobre a correta classificação fiscal de determinadas mercadorias, é importante pois mostrar a dinâmica das empresas em ação regular de classificar bem os seus produtos atendendo parâmetros técnicos, tecnológicos, de composição, de uso, de apresentação e forma, e transformando todos eles em validadores que atendem a legislação atrelada ao assunto, ou seja, classificar com bases legais, concretas, considerando todos esses aspectos materiais do item, e outros que possam ser utilizados na atividade.


A dinâmica atual do tema, mostra também, que as empresas não somente estão classificando mercadorias, mas estão juntando todos os argumentos para a boa classificação, juntada crítica, balizada em estudos, pareceres, comparativos, testes e ações possíveis para não deixar dúvidas sobre a NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) utilizada para identificar o produto seja em operações locais ou de comércio exterior, tendo como se contrapor a posicionamentos da Receita Federal caso não concordem com a classificação que Ela diz ser a correta para aquele determinada mercadoria.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page