top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS

A questão relacionada a compensação de prejuízos fiscais de resultados anteriores da empresa, de forma a reduzir lucro obtido em determinado exercício, sendo essa redução de no máximo 30%, ou seja, a chamada “trava fiscal” normalmente é tema que suscita discussões.


Essa compensação sempre foi ponto de atenção voltado a planejamento de operações tributárias de forma a maximizá-las quando da extinção da empresa, pois havia o entendimento que a trava de 30% é um adiamento do uso desse prejuízo enquanto a empresa esta em atividade, ou seja, efeito contrário ao que tínhamos anteriormente que limitava o uso de prejuízo em alguns exercícios a frente, a proposta foi não colocar limite de tempo mas dosar o uso do prejuízo, de forma que uma vez encerrando as atividades a empresa teria condições de utilizar todo o prejuízo fiscal sem considerar o limite de 30%. Isso impactaria em finalizar a operação, ou encera seu ciclo econômico, utilizando todo o prejuízo restante, com  redução de IRPJ e CSLL a recolher.


Decisão recente do STJ – Superior Tribuna de Justiça foi contrária a essa interpretação, indicando que a “trava de 30%” deve ser utilizada  inclusive  em situações de apuração de resultado fiscal no encerramento de atividades da empresa.


À decisão cabe grau de recurso pelo interessado, mas levantou ponto de atenção em transações societárias voltadas ao planejamentos societários relacionados a encerramento de atividades de empresas e aquisição de negócios a ela relacionados, por exemplo, a incorporação societária.


A empresa alvo da análise na  operação pode ter que pagar imposto de renda e contribuição social sobre o lucro no encerramento de suas atividades, mesmo mantendo prejuízo em suas apurações.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page