top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

CRÉDITO PRESUMIDO DE PIS E COFINS _ VENDA PARA ZONA FRANCA

Os incisos II dos parágrafos 2os dos artigos 3os das Leis de números 10637/2002 e 10833/2003 que tratam respectivamente do PIS e da COFINS no regime não cumulativo, indicam que não há direito ao crédito dessas contribuições quando da aquisição de bens ou serviços não sujeitos ao pagamento das mesmas (PIS e Cofins).


A 2ª Vara da Justiça Federal de Araraquara analisou, e se posicionou favorável, a apropriação de crédito de PIS e Cofins em situação interessante de detalhamento, que resumimos na sequência.


Trata-se de comercialização de carne de aves por empresa que faz o abate a respetiva comercialização. A análise do fato ocorreu sobre as vendas realizadas para a Zona Franca de Manaus.


Os principais insumos para a produção do produto final mencionado (carne) não estão sujeitos ao pagamento do PIS e da Cofins em sua aquisição, logo pelas disposições acima mencionadas das Leis de números 10637/2002 e 10833/2003 não há sobre a aquisição dos mesmos direito ao crédito dessas contribuições.


Ocorre que as vendas para a Zona Franca de Manaus, de acordo com o artigo 4º do Decreto Lei de numero 288/1967 são equiparadas a exportação (.........Art 4º A exportação de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na Zona Franca de Manaus, ou reexportação para o estrangeiro, será para todos os efeitos fiscais, constantes da legislação em vigor, equivalente a uma exportação brasileira para o estrangeiro.........), e ocorre, também, que o artigo 33 da Lei de número 12058/2009 indica que as empresas que estão sujeitas a apuração de PIS e COFINS pelo regime não cumulativo que produzam alguns produtos identificados por suas respectivas NCMs, entre eles, a carne de frango, produção essa destina a exportação, poderão descontar créditos presumidos calculados sobre a aquisição de frango, aquisição essa realizada junto a pessoa física ou cooperado pessoa física.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page