top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

CREDITO DE PIS E COFINS – RACIONALIDADE NA ANÁLISE

A Solução de Consulta da COSIT – Coordenação Geral do Sistema de Tributação, de numero 18/2020, tratou da possibilidade  de apropriação de créditos de PIS e Cofins para empresas enquadradas no regime não cumulativo de apuração dessas contribuições, créditos esses relacionados a manutenção e depreciação de  veículos utilizados para transporte de funcionários e  ferramentas até o local  da efetiva prestação de serviço por parte da empresa.

Esse entendimento quanto a possibilidade de  creditamento do PIS e da Cofins, também é  aplicável, pelo posicionamento da Solução de Consulta,  aos combustíveis e lubrificantes utilizados nesses veículos.

Essa Solução de Consulta, segue o entendimento da 1ª Seção do STJ – Superior Tribunal de Justiça, quando a possibilidade de créditos de PIS e da Cofins estarem atrelados aos princípios de essencialidade  e relevância do gasto na geração da receita operacional por parte da empresa.

Essa manifestação consultiva, não autorizou o crédito quanto aos gastos com locação de veículos para a finalidade acima mencionada (transporte de funcionários e  ferramentas até o local  da efetiva prestação de serviços pela empresa), por entender que a locação não esta enquadrada como bens ou serviços.

Esse posicionamento referente a locação, entendemos, vai de encontro ao que determina a decisão do STJ quanto ao conceito de insumos essenciais e relevantes no desenvolvimento das atividades por parte da empresa, ou seja, independente da denominação do gasto – locação - a despesa demonstra ser essencial e relevante no exercício da atividade.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page