top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

EFEITOS JURÍDICOS DA INOBSERVÂNCIA DA ALIQUOTA MÍNIMA DO ISS

Muitos sabem que a LC 157/2016 alterou a norma geral sobre ISS – LC 116/2003, especialmente com relação à previsão expressa da alíquota mínima de 2%.

Essa alteração não se tratou propriamente de uma inovação no mundo jurídico, tendo em vista que, desde a Emenda Constitucional 37/2002, o art. 88, inciso I, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passou a prever expressamente, enquanto não fosse estipulado em Lei Complementar – na forma do art. 156, § 3º, inciso I, da Constituição Federal com redação dada pela Emenda Constitucional 3/1993 –, que a alíquota mínima do ISS seria de 2%.

Inclusive, a vedação de concessão de isenções e benefícios que resultem na redução da alíquota mínima também já estava prevista, desde a Emenda Constitucional 37/2002, no inciso II do art. 88 do ADCT. Apesar disso, muitos municípios não observavam essa limitação constitucionalmente prevista, atuando à margem do regime jurídico regular.

Dessa forma, a grande novidade trazida pela LC 157/16, em relação a esse ponto, foi a previsão de efeitos jurídicos decorrentes da inobservância do limite mínimo da alíquota de ISS.

Com relação ao ente federado descumpridor da norma, tem-se o seguinte:

1. Nulidade da lei ou ato administrativo que prescreva a aplicação de alíquota inferior a 2% no cálculo do ISS incidente sobre serviço prestado a tomador ou a intermediário que esteja localizado em Município diferente daquele onde está o prestador do serviço (art. 8º-A, §2º, da LC 116/03). 2. Como consequência, será garantido o prestador o direito de pleitear, junto ao ente federado que desrespeitou o limite legal, a restituição do valor do ISS pago a ele (art. 8º-A, §3º, da LC 116/03). 3. Além disso, o agente público que conceder, aplicar ou manter benefício em desacordo com o limite mínimo, cometerá ato de improbidade administrativa (art. 10-A da Lei 8.429/92).

A LC 157/16 trouxe também importantes efeitos jurídicos para os demais entes federados e pessoas jurídicas de direito privado, quais sejam: o deslocamento de competência e a responsabilidade tributária.

O art. 6º, § 1º, inciso III, da LC 116/2003 passou a prever que, na hipótese de descumprimento do limite mínimo da alíquota do ISS pelo ente federado do local do estabelecimento prestador, será responsável tributário a pessoa jurídica tomadora ou intermediária de serviços, tendo em vista que o ISS passará a ser devido na base territorial desta.

Com isso, o legislador acabou por criar uma forma de fiscalização externa entre entes federados e sujeitos passivos do imposto, que deverão ficar atentos ao cumprimento, ou não, da norma, para, sendo o caso, cobrar, arrecadar, pagar ou pedir a restituição do imposto.

Sobre o tema veja também o nosso informativo de 16/01/18 com o título – ALTERAÇÕES NO ISS AS EMPRESAS DEVEM ESTAR ATENTAS.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Kommentare


bottom of page