top of page
Buscar

ESTADOS E MUNICÍPIOS – REFORMA TRIBUTÁRIA

A manifestação de Estados e Municípios quanto a serem os maiores atingidos e responsáveis referente a parcela significativa de custo pela reforma tributária deu resultado. Os questionamentos vão em linha ao fato de que boa parte das alterações referente a segunda etapa de sugestões do Executivo Federal, estão centradas no imposto de renda da pessoa jurídica, imposto que Estados e Municípios tem participação no “bolo de arrecadação”, ou seja, mudança no imposto de renda que cause impacto em sua arrecadação afetará diretamente Estados e Municípios. Isso já não acontece com o PIS e a COFINS cuja arrecadação é exclusivamente para a União, ou seja, para eles (PIS e COFINS) a alegação de Estados e Municípios é que as alterações que vislumbrem perdas são poucas e pequenas.


Para contornar mais essa situação, a sugestão tem duas linhas de ação. A primeira referente a criar um “seguro” garantindo a manutenção dos fundo de participação dos Municípios e do fundo de participação dos Estados em níveis atuais, de forma que sejam suportados por parcela de arrecadação do IRPJ. A outra linha de ação é a redução da alíquota da CSLL aumentando proporcionalmente a alíquota do IRPJ, já que CSLL e IRPJ tem praticamente a mesma base de tributação, de forma a administrar o não aumento de carga tributária, somente a readequação quanto a forma de tributar.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentarios


bottom of page