top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ESTIMATIVAS DE IRPJ E CSLL

A Lei de número 13670/2018, afastou a possibilidade de que o IRPJ e a CSLL apurados mensalmente, por estimativa pelas empresas enquadradas no lucro real anual, fosse liquidado por meio de compensação com saldos credores de outros tributos federais.


O tema chegou ao STF – Supremo Tribunal Federal, que entendeu não ser o mesmo de natureza constitucional, e nem estar provido de interesse e efeitos amplos, de forma a retornar a questão para o STJ – Superior Tribunal de Justiça, que ressalte-se, têm posicionamentos contrários a essa compensação, ou seja, posicionamentos prejudiciais ao entendimento e interesse dos contribuintes que buscam demonstrar a legalidade das compensações de saldos credores de tributos federais com IRPJ e CSLL apurados mensalmente por estimativa.


Alegações dos contribuintes quanto ao Estado os autorizar na escolha do regime de tributação, e uma vez feita a escolha, questões de ordem política e financeira a desconsiderar prejudicando a administração econômica da operação, ou, o prejuízo à boa gestão e planejamento quanto à alteração referente ao impedimento de compensação, e exigência do pagamento efetivo desses tributos (IRPJ e CSLL estimativa mensal) impactando diretamente o caixa das empresas quando as mesmas possuem créditos tributários junto à União, ou, a indicação quanto à quebra do princípio da isonomia, considerando que empresas enquadradas no mesmo lucro real, apuração trimestral, podem realizar a compensação, não foram suficientes para o STF considerar a matéria como sendo de ordem constitucional, de forma a assumir a sua análise. A decisão foi pelo retorno do tema para o STJ para ali ser decidida a legalidade ou não desse impedimento quanto à compensação do IRPJ e da CSLL mensal apurados por estimativa, mesmo considerando que o STJ em outubro de 2021 teve posicionamento sobre a natureza constitucional do tema.


Cabe aos contribuintes acompanharem o progresso do assunto que é de suma importância em suas operações.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page