top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ICMS NÃO COMPOR A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS _ NOVO POSICIONAMENTO PGFN

Manifestação da PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (Parecer SEI de úmero 14483/2021- ME) tratou da questão relacionada ao ICMS não compor a base de cálculo do PIS e da COFINS no regime não cumulativo (Julgamento do STF- Recurso Extraordinário de número 574.706/PR – Julgamento do Tema 69 de Repercussão Geral).

A PGFN já teve duas manifestações a respeito dessa questão. A primeira foi através do Parecer SEI de numero 7898/2021-ME de 24/maio/2021 através do qual ocorreu o posicionamento do Órgão sobre a questão, assim como a orientação a Receita Federal sobre aplicação do recente, a época, julgamento também pelo STF, quanto aos embargos de declaração propostos pela União buscando esclarecimento sobre qual o ICMS tratado na decisão do STF (ICMS da NF) e sobre a modulação da mesma (aplicação da decisão a partir de 15/março/2017).

A segunda manifestação ocorreu através do recente Parecer SEI de numero 12943/201 que buscou esclarecer questionamentos apresentados pela Receita Federal (Parecer COSIT de numero 10 de 01 de julho de 2021), pelo qual a Receia Federal solicitou manifestação da PGFN quanto a exclusão do ICMS da base de cálculo de Pis e da COFINS, também, na apuração de créditos dessas contribuições.

Dessa forma, a mais recente posicionamento - Parecer SEI de número 14483/2021-ME, datado de 23/setembro/2021, faz extensa abordagem sobre o tema, contemplando, inclusive, essas duas outras manifestações, sendo que, além de tudo já amplamente divulgado sobre a questão, destacamos o seguinte (manifestação componente do Parecer SEI de número 14483/2021-ME) :


- a decisão do STF deu conta de que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS no regime não cumulativo;

- proposta de embargos de declaração da União questionou qual ICMS deverá ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS, o ICMS destacado na NF, ou, o ICMS apurado no período, e a possibilidade de modulação dos efeitos do julgamento;

-no julgamento desses embargos foi decidido que o ICMS a excluir dessa base de cálculo é o destacado em NF, e a produção de efeitos da decisão ocorreria a partir de 15/março/2017, com ressalva a possíveis ações judiciais ou administrativas com protocolo anterior a esta data;

- a questão discutida e analisada como cerne do que foi levantado como possível inconstitucionalidade, tem relação com o conceito de faturamento para fins de composição da referida base de cálculo, sendo posicionamento do STF que o ICMS é integralmente transferido para o Estado, de forma a dever ser integralmente excluído da base para calculo do PIS e da COFINS, ou seja, a definição constitucional de receita, não se confunde com o conceito contábil de receita;

- o julgamento realizado pelo STF não abordou qualquer alteração quanto a sistemática de apuração não cumulativa do PIS e da COFINS, pois a mesma possui determinação legal própria;

- assim a decisão do STF não tem extensão a apuração de créditos, de forma que inexiste lastro legal com base no posicionamento do STF para a mencionada exclusão. Buscando a segurança jurídica da questão e mitigação de efeitos negativos em termos de arrecadação, é sugestão que o Ministério da Economia, apresente proposta de ato normativo que atenda a previsão legal da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS;

- o que se discutiu e analisou na decisão do STF não teve qualquer abordagem quanto a sistemática do crédito do PIS e da COFINS no regime não cumulativo, por esse motivo não há como estender a decisão do STF quanto ao ICMS não fazer parte da base de cálculo do PIS e da COFINS, a constitucionalidade dos créditos no regime não cumulativo dessas contribuições, as abordagens são completamente diferentes;

- os efeitos da referida exclusão ocorrem a partir de 15/março/2017 com ressalva aos casos de protocolo antes desta data de ações judiciais e administrativas, assim até 15/março/2017 a inclusão do ICMS na mencionada base de cálculo é válida, desta data para frente o ICMS não deve compor a referida base de cálculo;

-importante considerar que as ações judiciais ou administrativas protocoladas até 15/março/2017 devem discutir especificamente o tema “ICMS não compor a base de cálculo do PIS e da COFINS”, ou seja, se a mesma discutirem outros temas relacionados ao Pis e a COFINS ou mesmos a cobrança dos mesmos mas no tocante não a composição da base e valor, mas outras questões, as mesmas não estarão contempladas nesta excepcionalidade de modulação;

- ação protocolada a partir do dia 16/março/2017 para discutir o tema em pauta não retroagirá seus efeitos, ou seja, também não estará contemplada nesta excepcionalidade de modulação

- importante que todos os procedimentos de rotinas normativas referentes a cobrança do PIS e da COFINS a partir de 16/março/2017 sejam ajustados para orientação aos contribuintes considerando a manifestação do STF;


O Parecer é extenso, e aborda os pontos acima resumidos, de forma didática sendo que ao final da exposição traz a conclusão dos itens abordados, sendo essa conclusão a seguinte:


i) Conforme decidido pelo Supremo Tribunal Federal, por ocasião do julgamento do Tema nº 69 da Repercussão Geral, “O ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da COFINS”;

ii) O ICMS a ser excluído da base de cálculo das contribuições do PIS e da COFINS é o destacado nas notas fiscais;

iii) Não é possível, com base apenas no conteúdo do acórdão, proceder ao recálculo dos créditos apurados nas operações de entrada, seja porque a questão não foi, nem poderia ter sido, discutida nos autos;

iv) As alterações realizadas pela Lei nº 12.973/2014 no Decreto-Lei nº 1.598/1977, referente a definição do que compõe a renda bruta, não impactam no resultado do julgamento do Tema nº 69;

v) Os efeitos da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS devem se dar após 15.03.2017, ressalvadas as ações judiciais e administrativas protocoladas até (inclusive) 15.03.2017;

vi) Para excepcionar a modulação, exige-se ação judicial ou procedimento administrativo protocolado pelo contribuinte até a data do julgamento de mérito (15/03/2017), ou, anteriormente e que ainda estivesse em curso (não precluso – perda do direito de manifestação processual), bem como que discutisse precisamente a inclusão do ICMS destacado na base de cálculo do PIS/COFINS;

vii) No que se aplica aos valores inscritos em dívida ativa, inexistindo discussão administrativa ou judicial, os valores inscritos cujos fatos geradores ocorreram até 15/03/2017 permanecem hígidos, já os posteriores a essa data deverão ser decotados, mediante mero cálculo aritmético, excluindo-se o ICMS destacado da base de cálculo do PIS/COFINS. Havendo discussão judicial ou administrativa, nos termos já detalhados, a modulação poderá ser excepcionada;

viii) O Parecer SEI Nº 7698/2021/ME não excepciona as conclusões do Parecer PGFN/CRJ/Nº 492/2011, face às peculiaridades do caso concreto (modulação retroativa dos efeitos da decisão e longo interregno temporal entre a decisão de mérito e o trânsito em julgado); ao contrário, as prestigia, visto que mantido como marco da cessação da eficácia de decisões anteriores a definitividade do precedente com repercussão geral.


Ponto de atenção nessa manifestação é a questão relacionada a exclusão do ICMS também dos créditos de PIS e COFINS, item esse, levantado pela Receita Federal. A manifestação do Parecer mencionado (Parecer SEI de úmero 14483/2021- ME) diz que esse tema não foi decidido pelo acórdão do julgado pelo STF, ou seja, é estranho ao mesmo, sendo necessário que o Ministério da Economia faça a proposta de ato normativo (legislação infraconstitucional) que trate da exclusão do ICMS no valor da aquisição de créditos do PIS e da COFINS. Assim, tudo indica que teremos na mesa de discussão, mais um tema referente ao PIS e a COFINS, esse agora, referente a questão dos créditos, isso dependendo da manifestação do Ministério da Economia sobre o tema, com aval da PGFN, conforme é mencionado no Parecer SEI de úmero 14483/2021- ME.

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page