top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ICMS – SÃO PAULO

Em nosso informativo de 04/outubro/23 – Expectativa de Parcelamento de ICMS – SP - comentamos sobre a possibilidade de contribuintes do Estado terem regras mais favoráveis para a quitação de dívidas tributárias. A proposta é parte do Projeto de Lei de número 1245/2023.


A Lei de numero 17784/2023 trouxe alterações a Legislação do ICMS do Estado, sendo que as mesmas (alterações) podem ser boas oportunidades para as empresas praticarem a chamada autorregularização. A Lei propõe que as empresas que desistam de questionar administrativamente autuações tenham descontos já previstos que podem chegar a 70%, mas aumentando o prazo para quitação que era de 15 dias da lavratura do auto e agora passou a 30 dias. Outra alteração esta relacionada a possibilidade de quitação débito gerado por autuação, através de crédito do imposto inclusive de retenção antecipada pela mecânica do ICMS-ST, com exceção dos créditos relacionados a operações de revenda de combustíveis e outros derivados de petróleo, conforme definidos em legislação federal.


Questão também abordada pela Lei refere-se a, em situações e parcelamento, a multa ter redução de até 55% para parcelamento em até 36 vezes, antes esse percentual era de uso para prazo de quitação de 12 vezes, e também redução de 40% para parcelamento em até 37 meses, que antes era de uso para quitação em até 24 vezes.


Essas alterações devem levar o contribuinte a avaliar a melhor alternativa a ser efetivada quanto a recurso para possível autuação (chance de sucesso) com a variável importante de uso de saldo credor e perspectiva de efetivar esse saldo em resultado financeiro (tempo de ocorrência dessa possibilidade), e a melhor forma de quitação de valor em aberto do imposto, com possível uso de parcelamento.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page