Buscar
  • Grupo Bahia & Associados

INCENTIVOS DOS ESTADOS – SUBVENÇÃO PARA INVESTIMENTO OU SUBVNÇÃO PARA CUSTEIO

A Lei Complementar nº 160/2017 que propõe apaziguar e normatizar os questionamentos sobre incentivos fiscais concedidos pelos Estados e que possam vir a ser questionados por outras Unidades da Federação quanto a sua legalidade, esta em plena aplicação de suas disposições quanto as diretrizes para essa normatização.

Mas, além dessa proposta, a Lei Complementar também abordou tema há muito questionado pela Receita Federal para tributar esses benefícios relacionados ao ICMS.

A Receita Federal sempre questionou que esses benefícios tinham natureza de subvenções para custeio das operações da empresa beneficiada, o que os tornaria tributado pelo IRPJ e pela CSLL. Já as empresas alegavam que esses benefícios tinham a natureza de benefícios para investimento tendo em vista as contrapartidas que as mesmas necessitavam atender quanto a, por exemplo, geração de mão de obra local, geração de tecnologia e desenvolvimento local, geração de outros fatores de valor agregado local.

O artigo 9º da L. C. nº 160/2017 alterou a redação do parágrafo 4º do artigo 30 da Lei nº 12973/2014 (dispositivo que abordou aspectos da legislação tributária) indicando textualmente, que os benefícios e incentivos referentes ao ICMS concedidos pelos Estados, base na L. C. nº 160/2017, são considerados subvenção para investimento.

Com esse posicionamento da Lei complementar a discussão sobre os incentivos ou benefícios do ICMS terem enquadramento como subvenção para custeio perdem a validade assim como também o perde autuações a respeito do tema.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

POSSIBILIDADE DE UM NOVO REFIS

Discute-se no Legislativo Federal, a proposta de um novo programa de refinanciamento de dívidas tributárias (REFIS). A proposta original é do Senado que sugere uma graduação para a concessão do refin

PRESERVAÇÃO DOS BENEFÍCIOS DA LEI DE INFORMÁTICA

Em marco/2021 o Congresso promulgou a PEC (Proposta de Emenda a Constituição) de numero 186/2019 que permitiu ao Governo, pagar, em 2021 o auxilio emergencial no montante de R$ 44 bilhões focando os m