top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

INCONSISTENCIAS CONTÁBEIS

Nos últimos dias temos escutado muito essa expressão – inconsistências contábeis.

O motivo está, praticamente, em todas as formas de mídia, e tem relação com a descoberta de um sério problema contábil, ou como dizem um rombo contábil, na ordem de R$ 20 bilhões em uma das grandes varejistas do país.

Empresa com valor patrimonial estimado em R$ 14 bilhões, com mais de 3600 lojas em todo país, 40.000 funcionários, 53 milhões de clientes, e recolhimento de impostos anualmente na ordem de R$ 2 bilhões.

A questão, dizem estar relacionada ao não registro, de forma correta, ou, transparente, de operações financeiras de compras nas quais a companhia é devedora de instituições financeiras, sendo que essas operações estavam refletidas na conta de fornecedores. O impacto da divulgação foi imediato com a queda do valor das ações da companhia, receio do mercado financeiro pelos desdobramentos dos fatos que indicam o valor da dívida da empresa chegar a R$ 40 bilhões, e a credibilidade arranhada inclusive com abertura de investigação pelo Ministério Público Federal em São Paulo para investigar o uso de informações privilegiadas para se obter lucros e vantagens no mercado financeiro.

Em resumo, a questão da inconsistência esta na chamada operação de risco sacado, ou, adiantamento aos fornecedores, sendo que a mesma (inconsistência), tudo índica, é também de anos anteriores. A operação é caracterizada pela presença de bancos na estrutura de fornecimento para a empresa, ou seja, a “oferta da operação para o mercado” ocorre como forma de dar força, dar poder financeiro, a cadeia de fornecimento. Assim o fornecedor faz a venda, entrega a mercadoria, e o prazo de recebimento que consta na Nota Fiscal ou título de cobrança que a represente é o equivalente ao prazo de financiamento que o banco oferece para a operação podendo o saque/recebimento ser antecipado, o banco é o credor do risco sacado, o fornecedor recebe do banco, e o comprador tem a dívida junto ao banco. Nessa operação a empresa adquirente da mercadoria tem maior possibilidade de alongar prazos de pagamentos, a sua estrutura (estrutura da operação) é de uma operação de crédito, em que banco e empresa adquirente são os garantidores das compras com taxas mais acessíveis tendo em vista a boa relação entre eles. Para a empresa adquirente a operação é boa pois alivia o seu caixa e possibilita uma boa administração no trabalho com recursos de terceiros com taxas mais acessíveis. Para a empresa vendedora a operação também é boa pois há uma maior garantia de recebimento podendo o mesmo ser antecipado, ou seja, provisão para devedores duvidosos igual a zero.

No caso da varejista que estamos comentando as operações de risco sacado não constavam em seus balanços de determinados períodos, a informação dessa dívida financeira não ocorreu, sendo o valor dos fornecimentos alocados na conta de fornecedores, e os juros pelo “financiamento” nas aquisições, e que deveriam ser pagos aos bancos, ou, as despesas financeiras, estavam contabilizados como redução da conta de fornecedores. Resultado, um valor significativo (R$ 20 bilhões) em aberto com os fornecedores. Assim o que seria uma dívida financeira a ser paga aos bancos, teve registro como passivo junto a fornecedor de mercadorias.

Essa situação traz um alerta importantíssimo as empresas quanto as variedades de formas de se utilizar créditos para dar fôlego financeiro a operação, porém os registros contábeis da transação necessitam ser detalhados, o quanto necessário for, para se distinguir e refletir se a operação em questão é de caráter mercantil, é de natureza financeira, o compromisso deve ser quitado em qual período, mas compromisso com quem com o fornecedor, ou com a instituição financeira que financiou a compra, essa quitação tem encargos, qual a forma de reconhecimento dos mesmos como parte da operação, o que é custo, e o que é despesa financeira na operação?

Enfim, ocorrência que deve servir como um alerta para várias empresas, considerando que a operação identificada como “risco sacado” tem sua maior utilização do mercado atacadista e varejista, mas pode ocorrer desdobramentos da mesma em outras áreas de negócio.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page