Buscar
  • Grupo Bahia & Associados

INSUMO – ESSENCIALIDADE E RELEVÂNCIA – PIS E COFINS

As questões relacionadas as possibilidades de créditos do PIS e da Cofins no regime não cumulativo há muito tempo são controversas. A Receita Federal através das Instruções Normativas n⁰s 247/02 e 404/04 buscou, com interpretação própria e restritiva, limitar o conceito de insumos mencionado nas Leis que tratam da não cumulatividade dessas contribuições, e dessa forma, limitou as possibilidades de créditos pelos contribuintes.

Agora, a 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça – STJ, em recurso repetitivo e por maioria de votos, afastou da possibilidade de créditos de PIS e Cofins, regime não cumulativo, esse conceito restritivo imposto pelo Receita Federal em suas Instruções Normativas, indicando que os créditos são definidos pela essencialidade e relevância do insumo na atividade da empresa.

Com isso, reforça-se  o conceito de que  os créditos relacionados ao PIS e a Cofins devem ser analisados caso a caso, de acordo com as atividades realizadas pela empresa e a essencialidade e relevância  do gasto para a realização dessas atividades.

Entende-se, também,  que esse posicionamento é um passo  decisivo para a reforma do PIS e da Cofins, considerando que a restrição de créditos imposta pela Receita Federal, a cada dia, torna-se mais frágil, e isso acarretará, sem sombra de dúvidas, a perda de arrecadação por parte do Governo

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CUIDADOS QUE AS EMPRESAS DEVEM TER PARA 2022

Segue matéria do Grupo Bahia Associados, publicado no Site Contábeis, comentando e apontando cuidados que as empresas devem ter em 2022 para manter um bom planejamento econômico e financeiro de suas o

DISPOSIÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

Em nossos informativos de 11, 16 e 29 de novembro de 2021 tratamos do Decreto de numero 10854/21 que teve como proposta trazer novas disposições a legislação trabalhista. Uma dessas alterações relacio

INFLAÇÃO ACIMA DA META

As justificativas do Banco Central para o encerramento de 2021 com a inflação em 10,06%, ou seja, acima da meta que era de 3,75% com tolerância de 1,5 ponto percentual, esta relacionada aos preços das