top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ITCMD – INTEGRALIZAÇÃO DE CAPITAL COM IMÓVEIS

Atualizado: 4 de nov. de 2020

A integralização de capital de empresa com a transferência de imóvel do patrimônio do sócio, via de regra, não é fato gerador do ITCMD.


Porém, ressalta-se a necessidade de atenção para a estrutura da operação, não identificar objetivo diverso, destinada da integralização.


A Consultoria Tributária da SEFAZ-SP se manifestou recentemente, através da Solução de Consulta de numero 22070/2020 sobre caso com a seguinte configuração: constituição de capital social de empresa no valor de R$ 600K composto por três sócios; dois utilizaram para a integralização imóvel de propriedade de ambos no valor total de R$ 500K, ou seja, R$ 250K cada um; o terceiro sócio integralizou o capital em espécie na ordem de R$ 100K.


Em termos de cotas da empresa, pelo ato societário, cada um dos sócios possui 33,33% do capital de forma que a integralização em bens (imóveis) no valor de R$ 250K passou a valer o equivalente a R$ 200K em cotas, e o valor integralizado em R$ 100K passou a valer o equivalente a R$ 200K em cotas.


Nessa situação a Resposta à Consulta indica a ocorrência de doação dos sócios que integralizam o capital em bens para o sócio que integralizou o capital em espécie, pois ao final o valor integralizado dessa forma (R$ 100k), esta equivalendo a R$ 200K em cotas, caracterizando que cada um dos outros dois sócios, doou a esse o valor de R$ 50K.


Importante ao realizar a operação de integralização de capital de empresa em bens e direitos, estar atento ao resultado da participação na sociedade como resultado dessa integralização, para que não haja possibilidade de indicação de vicio de forma na transação, que possa descaracterizar a mesma.

40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page