Buscar
  • Grupo Bahia & Associados

JUROS DE MORA NÃO É AUMENTO PATRIMONIAL

O Supremo Tribunal Federal – STF, concluiu em julgamento recente, como sendo de repercussão geral, que não há a incidência de imposto de renda sobre juros recebidos pelo atraso de pagamento, caracterizado como recomposição de perda, o que não leva a dedução de que tenha ocorrido ou ocorrerá um aumento patrimonial.


Para a PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, há porém, o entendimento que o simples recebimento de verba indenizatória não é suficiente para descaracterizar o aumento patrimonial. Já a outra parte no processo, o Contribuinte, argumenta que o recebimento de juros de mora por condenação judicial, é reparo de dano, e não acréscimo de patrimônio, logo não pode ser base de cálculo do imposto de renda.


O conceito em análise fica entre a verba indenizatória, por si só, não ser aumento patrimonial, ou, não ocorrendo para ela essa comprovação de recompor uma perda, ai sim se caracterizar como um aumento de patrimônio.


Para o STF os lucros cessantes devem ser tributados, já os danos emergentes não, ou seja, a recomposição de perda não é aumento patrimonial, logo, não é base para cálculo do imposto de renda.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS

O julgamento do STF – Supremo Tribunal Federal, sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, julgamento esse que vai analisar os embargos de declaração apresentados pela PGFN – Proc

COMO PLANEJAR E ORÇAR COM TANTAS VARIÁVEIS

As empresas enfrentam mais um desafio. O “vai e vem” do mercado e da economia com tantas ações que refletem inciativas desastradas, ou não, mal programadas, ou não, para enfrentar a atual crise sanitá

© 2020 por Grupo Bahia & Associados

  • LinkedIn Social Icon