top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

O AUMENTO E A REDUÇÃO DE ALIQUOTAS POR DECRETO

O STF – Supremo Tribunal Federal, analisou e votou pela legalidade da redução e restabelecimento de alíquotas do PIS e da Cofins através de Decreto.


A previsão para essa situação consta na Lei de numero 10865/2004, mencionando algumas situações específicas para essa ocorrência, entre elas, por exemplo, a incidência dessas contribuições sobre receitas financeiras, como é o caso o parágrafo 2º do artigo 27 dessa Lei que indica o seguinte “.....O Poder Executivo poderá, também, reduzir e restabelecer, até os percentuais de que tratam os incisos I e II do caput do art. 8º desta Lei, as alíquotas da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS incidentes sobre as receitas financeiras auferidas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao regime de não-cumulatividade das referidas contribuições, nas hipóteses que fixar......”.


A questão é que o Decreto de numero 8426/2015, definiu que, a partir de 01 de julho de 2015, as alíquotas de PIS e Cofins sobre receitas financeiras para as empresas enquadradas no regime de apuração não cumulativo dessas contribuições, que até então dera de zero por cento, passaria a ser de 0,65% para o PIS e de 4% para a Cofins. Daí veio o questionamento apresentado ao STF quanto a um Decreto (norma infralegal) ter a habilidade jurídica de aumentar alíquotas de tributos.


Assim, o STF decidiu pela constitucionalidade da flexibilização da legalidade tributária, desde que haja a previsão legal para as alterações realizadas pelo Executivo, e desde que haja também, a caracterização da função extrafiscal, um teto definido para a alteração, e critérios claros para a sua aplicação.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentários


bottom of page