top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

OS CRÉDITOS DO PIS E COFINS - CRITICIDADE

Atualizado: 10 de mai. de 2022

Comentamos em vários de nossos informativos os cuidados a serem observados quando analisamos as possibilidades de créditos de Pis e COFINS para as empresas enquadradas no regime de apuração não cumulativos dessas contribuições.


O alerta leva em consideração a manifestação do STJ – Superior Tribunal de Justiça, em julgado de fevereiro/2018, no qual se manifestou quanto aos critérios de essencialidade e relevância serem fundamentais para caracterizarem os gastos como insumos na operação da empresa, e dessa forma elegíveis ao aproveitamento de créditos dessas contribuições.


A recomendação fica por conta da análise criteriosa, envolvendo caso a caso, e não com base na formatação de um conceito de crédito para gastos que podem ter origens variadas. Como exemplo, citamos recente manifestação do TRF – Tribunal Regional Federal da 3ª Região Fiscal que desqualificou a possibilidade de crédito, com gastos de contribuintes que devem atender as disposições da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) – Lei de numero 13709/2018. A empresa argumenta que a LGPD trouxe, uma espécie, de novas exigências de gastos para as empresas que precisam atender as suas disposições quanto ao tratamento correto de dados das pessoas com as quais opera. O relator da questão no TRF entendeu que não há na LGPD nada que evidencie a obrigação de gastos adicionais para a empresa quanto ao seu uso, somente há a indicação de normas gerais de tratamento de dados pessoais, sem que ocorra na análise da questão a visualização clara de gastos que possam originar o referido crédito.


A manifestação é importante pois traz indicativo da forma pela qual as empresas que tem a essência de sua atividade no tratamento de dados pessoais devem atuar, e/ou, devem se posicionar, para que os gastos referentes a essa atividade sejam elegíveis para a apropriação de créditos do PIS e da COFINS.

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page