top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

PIS E COFINS _ ATENÇÃO A INFORMAÇÃO SOBRE A EXCLUSÃO DO ICMS

As empresa devem ter atenção quanto as suas informações disponibilizadas na EFD – Contribuições (Escrituração Fiscal Digital – Contribuições) onde temos os dados de PIS e Cofins apurados.

O cuidado fica por conta da informação especificando a maneira pela qual se detalha nessa obrigação acessória a exclusão do ICMS da base de calculo das contribuições, ou seja, a forma aplicada ao cálculo ne a sua base legal.

Pela ausência dessa informação, ou, ausência de especificação na EFD da forma de cálculo das contribuições, a Receita Federal aplicará para os dados disponibilizadas as disposições da Solução de Consulta Interna COSIT numero 13 de 18 de outubro de 2018 (vide nosso informe de 30/10/18 – Exclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS e da Cofins _ Posicionamento da Receita Federal).

Alerta maior a questão surgiu com a publicação da Instrução Normativa RFB numero 1876/19, em 15/03/19, que alterou a aplicação de multas pela entrega da EFD- Contribuições com incorreções ou omissões, sendo que até então, essas multas eram definidas como sendo de R$ 500,00 por mês ou fração de mês para pessoas jurídicas imunes ou isentas, ou, que na ultima declaração tiveram enquadramento no lucro presumido, e R$ 1.500,00 por mês ou fração de mês para as demais pessoas jurídicas. Por não cumprir possível solicitação da Receita Federal para esclarecimentos sobre as informações, a multa indicada é de R$ 500,00 ao mês e, por cumprir a obrigação com informações incorretas ou incompletas multa de 3% do valor das transações comerciais ou financeiras da empresa ou de terceiros que ela seja responsável.

Agora, com as alterações da Instrução Normativa RFB nº 1876/19 essas multas passaram a ser de 0,5% do valor da receita bruta do período a que se refere a escrituração que não atenda os requisitos de apresentação, ou, 5% do valor das operações correspondentes, limitado a 1% da receita bruta do período no caso de omissão de informação ou informação incorreta, ou, 0,02% por dia de atraso calculado sobre a receita bruta da empresa no período, limitado, a 1% dessa receita. Isso considerando redução de 50% da multa para o cumprimento da obrigação sem procedimento de ofício por parte do órgão fiscalizador, ou, 75% de redução se ocorrer atendimento no prazo do procedimento indicado pela fiscalização. Importante considerar que a redação da IN RFB 1876/19 menciona a aplicação dessas multas sem prejuízo de sanções administrativas, cíveis, e criminais cabíveis, inclusive aos responsáveis legais da empresa

Sem dúvida, o posicionamento definitivo do STF (Supremo Tribunal Federal), é fundamental a esse tema.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page