top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

POSSIBILIDADE DE CRÉDITO DE PIS E COFINS – PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE

A Solução de Consulta da COSIT de número 55/2023 tratou da possibilidade de apropriação de crédito de PIS e COFINS, regime não cumulativo, para os dispêndios relacionados com despesas de descartes de resíduos, isso vinculado a controle ambiental. A Solução de Consulta traz a seguinte indicação “......o descarte de resíduos sujeitos a tratamento especial, previsto em legislação específica, como medida de controle ambiental, pode gerar crédito De PIS e Cofins na modalidade aquisição de insumos por imposição legal.....”.


A Solução de Consulta em sua exposição de fatos e análises, menciona o posicionamento do STJ – Superior Tribunal de Justiça , em julgamento de fevereiro de 2018, onde se aplicou a questão dos créditos de PIS e Cofins os conceitos de essencialidade e relevância, conceitos esses também abordados no Parecer Normativo COSIT/RFB de número 05/2018. Além dessa abordagem a Solução de Consulta também utiliza em sua exposição de fatores a analisar e a considerar na manifestação, as disposições da Lei de numero 9605/1998 que trata de sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, assim como disposições da Resolução CONAMA de número 237/1997.


Após a sua competente exposição e abordagem, a Solução de Consulta finaliza a sua fase analítica concluindo que “......diante do exposto e com base na legislação citada, soluciona-se a presente consulta, informando-se à consulente que o descarte de resíduos sujeitos a tratamento especial, previsto em legislação específica, como medida de controle ambiental, pode gerar crédito da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep na modalidade aquisição de insumos por imposição legal......”

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentarios


bottom of page