top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

RECOLHIMENTO ICMS – COMERCIO VAREJISTA SP – REFERENTE MÊS DE DEZEMBRO/23

O Decreto do Estado de São Paulo de número 68.244/2023 tratou da possibilidade de contribuintes q​​​ue exercem a atividade de comércio varejista, possam  parcelar o ICMS devido pelas saídas de mercadorias promovidas em dezembro de 2023.

 

Esse parcelamento ocorrerá em 2 (duas) parcelas mensais e consecutivas, com dispensa de juros e multas, desde que a primeira parcela seja recolhida até o dia 20 do mês de janeiro de 2024, e a segunda parcela seja recolhida até o dia 20 do mês de fevereiro de 2024. 

Essa possibilidade tem como condicional O fato do contribuinte, em 31 de dezembro de 2023, ter a sua atividade principal enquadrada em um dos seguintes códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE: 

​(1). 36006;​

(2). 45307 (exceto 4530-7/01, 4530-7/02 e 4530-7/06); 

(3). 45412 (exceto 4541-2/01 e 4541-2/02); 

(4). 47113, 47121, 47130, 47211, 47229, 47237, 47245, 47296, 47415, 47423, 47431, 47440, 47512, 47521, 47539, 47547, 47555, 47563, 47571, 47598, 47610, 47628, 47636, 47717, 47725, 47733, 47741, 47814, 47822, 47831, 47857 e 47890. 

 

Essa possibilidade de recolhimento parcelado, é tida como excepcional,  ficando facultado ao contribuinte efetuar o recolhimento integral do imposto no mês de janeiro de 2024, até a data estabelecida no Anexo IV do Regulamento do ICMS - RICMS, aprovado pelo Decreto nº 45.490, de 30 de novembro de 2000. 

Na opção pelo recolhimento parcelado o contribuinte deve observar que  cada uma das parcelas deverá ser efetuado por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais - DARE-SP, observando-se: (I) - no tipo de débito, deverá ser selecionada a opção “ICMS - Operações Próprias - RPA (04601)”;  (II) - no campo “Referência”, deverá ser consignado “12/2023”;  e (III) - no campo “Valor do Imposto”, deverá ser indicado o valor correspondente a 50% (cinquenta por cento) do valor total do imposto devido. 

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Hozzászólások


bottom of page