top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

REGISTRO DECLARATÓRIO ELETRÔNICO – INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO

A Circular BACEN nº 3.689/2013, regulamenta disposições sobre capital estrangeiro no Brasil. Resumidamente todas as empresas que possuíam capital estrangeiro integralizado na data-base de 31/12/2020, sendo ele de qualquer valor, necessitam efetuar a entrega no sistema de Registro Declaratório Eletrônico de Investimento Estrangeiro Direto (RDE-IED), seja por meio da apresentação de uma Declaração Econômico-Financeira (DEF) ou de um novo Quadro Societário para a atualização periódica anual. Alertando que o tipo de registro exigido fica na dependência dos requisitos indicados na legislação, requisitos esses para os quais a empresa deve estar atenta. O prazo limite para a entrega da informação é 31 de março de 2021.


O preenchimento da Declaração Econômico-financeira é obrigatório para empresas que receberam investimento estrangeiro direto com ativo total, ou, patrimônio líquido iguais ou superiores a R$ 250 milhões considerando a data base de 31/dezembro/2020.


Empresas que não se enquadrem na situação acima, ou seja, cujo ativo total e patrimônio líquido estejam abaixo dos R$250 milhões) tem a obrigação de entrega de Quadro Societário, referente a mesma data-base de 31/12/2020, objetivando a atualização periódica anual. Importante considerar que para atender essa atualização periódica é necessário registrar um novo quadro societário para cada data-base. Assim o alerta fica por conta de que a simples alteração da data de um quadro societário já existente no sistema não irá atender exigência da atualização.


Importante considerar que informações falsas, incompletas, ou incorretas, podem suspender o responsável pelas mesmas no sistema RDE-IED, além de penalidades da seguinte ordem:


- efetuar registro ou apresentar declaração em desacordo com os prazos previstos nas respectivas normas: 1% (um por cento) do valor sujeito a registro ou declaração, limitado a R$25.000,00 (vinte e cinco mil reais);


- prestar informações incorretas ou incompletas: 2% (dois por cento) do valor sujeito a registro ou declaração, limitado a R$50.000,00 (cinquenta mil reais);


- não efetuar registro, não apresentar declaração ou não apresentar documentação comprobatória das informações fornecidas ao Banco Central do Brasil: 5% (cinco por cento) do valor sujeito a registro ou declaração, limitado a R$125.000,00 (cento e vinte e cinco mil reais);


- prestar informação falsa em registro ou declaração: 10% (dez por cento) do valor sujeito a registro ou declaração, limitado a R$250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais)

25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page