top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

REGRAS TRABALHISTAS

O Senado Federal aprovou a Medida Provisória de numero 1108/22 que trata, entre outros temas, do teletrabalho e da jornada de trabalho reduzida nos casos de calamidade pública.


A diferença entre essa abordagem e o que ocorreu durante a pandemia da covid, é que o tratamento proposto pela Medida provisória, nos casos de calamidade pública, podem ser decretados não somente pelo Governo Federal, mas também pelos Governos Estaduais e Municipais, ou seja, tratamento de calamidade pública não somente na esfera federal, mas também, na esfera regional.


A aprovação indica que para a manutenção do emprego, será possível por exemplo, medidas como o teletrabalho, a antecipação de férias individuais com comunicação escrita ou eletrônica de no mínimo 48 horas e indicação do prazo no qual ela transcorrerá, a conversão de férias em abono pecuniário deverá ter anuência do empregador. A M.P. também prevê concessão de férias coletivas, o aproveitamento da antecipação de feriados, banco de horas, e suspensão da exigência de recolhimento do FGTS.


A Medida Provisória trata da previsão quanto as empresas mudarem o regime de trabalho dos colaboradores, para teletrabalho ou trabalho remoto, com autonomia para solicitar retorno ao trabalho presencial, independente de acordo individual ou coletivo, indicando a não necessidade de registro prévio dessa alteração no contrato individual de trabalho, mas observando a comunicação ao empregado por escrito ou eletronicamente com 48 horas de antecedência. Já os acertos relacionados a equipamentos ou reembolsos utilizados ou resultados dessa situação deverão ser realizados com antecedência ou no prazo de 30 dias da alteração.


Quanto a questão do auxilio alimentação, houve a ratificação referente ao mesmo não poder ser utilizado para nenhum gasto que não a compra de itens alimentares, ou seja, pagamento de refeições em restaurantes ou similares, e aquisição de gêneros alimentícios em estabelecimentos comerciais. Os novos contratos com fornecedores que viabilizam o auxílio alimentação não poderão ter acordo de desconto para com as empresas que contratam os serviços. As fraudes no uso do vale alimentação podem gerar multas de R$ 5 mil até R$ 50 mil com aplicação em dobro por reincidência, ou, embaraço a fiscalização, sendo sujeitos a ela os empregadores, as empresas emissoras dos cartões destinados a pagar o auxílio, e os estabelecimentos que comercializarem os produtos não relacionados com o benefício.


O texto original da Medida Provisória de numero 1108/22 foi objeto do nosso informativo de 04/04/22

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentários


bottom of page