top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

SISTEMA DE GESTÃO DA EMPRESA E A INTERFACE COM AS OBRIGAÇÕES FISCAIS

Veja no link abaixo, mais uma matéria do Grupo Baia Associados, publicada no site “Contábeis” abordando os cuidados que a empresa deve ter ao utilizar e parametrizar seu sistema ERP quando, a esse sistema e a respectiva parametrização, atenderem disposições da legislação fiscal tributária voltadas a geração de informações, identificadas como obrigações acessórias, suporte para a identificação do montante de impostos a recolher na operação (obrigação principal).

Os investimentos que muitas empresas realizam nessa ferramenta sistêmica, propiciam, sem dúvida, retornos significativos em termos de qualidade de informação, agilidade em sua geração, e disponibilidade de dados para tomada de decisões, ou seja, essas ferramentas são, atualmente, essenciais na gestão de qualquer empreendimento.

O alerta fica por conta de que os Fiscos, nas suas três esferas de acompanhamento das atividades empresariais (União, Estado e Município), também se atualizaram sistemicamente e transferiram para os contribuintes a responsabilidade de vincular suas informações - recebidas, preparadas e armazenadas em seus ERPs - para a base de dados do Órgão Fiscalizador que também validará, processará, armazenará essas informações utilizadas como suporte ao seu trabalho de arrecadação. Temos ai o SPED e seus vários módulos que ratificam essa situação.

A matéria visa alertar as empresas quanto aos cuidados ao validarem o uso de seus ERPs sem descuidar das informações de natureza fiscal e tributária que eles devem estar aptos para receber, processar, armazenar, e transmitir aos órgãos fiscalizadores.

Boa Leitura!


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page