top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DOS REEMBOLSOS DE DESPESAS

Solução de Consulta da COSIT de numero 149/2021 aborda tema sensível e muito interessante para as empresas.


A questão em análise tem referencia as tratativas a serem dadas aos reembolsos de despesas recebidos por empresas que operacionalmente centralizam determinados gastos e posteriormente fazem o rateio dos mesmos com outras empresas, considerando essa análise quanto ao IRPJ, a CSLL, o PIS e a COFINS.


O posicionamento vai no sentido de que os reembolsos de despesas, obedecidas determinadas condicionais, não são considerados receitas e desta forma não devem ter a incidência desses tributos mencionados (IRPJ, a CSLL, o PIS e a COFINS).


As condicionais para esse enquadramento são as seguintes:


(I) as despesas reembolsadas necessitam comprovadamente corresponder a bens e serviços recebidos e efetivamente pagos (comprovação);


(ii) as despesas objeto de reembolso necessitam de forma obrigatória, serem consideradas usuais e normais nas atividades das empresas;


(iii) o rateio deve ser realizado através de critérios razoáveis e objetivos, previamente ajustados, com a devida formalização por instrumento firmado entre os intervenientes;


(iv) o critério de rateio deve estar de acordo com o efetivo gasto de cada empresa e com o preço global pago pelos bens e serviços, observando-se os princípios técnicos determinados pela Contabilidade;


(v) a empresa centralizadora da operação de aquisição de bens e serviços deve apropriar como despesa exclusivamente a parcela que lhe cabe de acordo com o critério de rateio, assim como deverão proceder de forma idêntica as outras empresas descentralizadas beneficiárias dos bens e serviços, contabilizando as parcelas a serem ressarcidas como direitos de créditos a recuperar, orientando a operação conforme os princípios técnicos exigidos pela Contabilidade;


(vi) a empresa centralizadora da operação de aquisição de bens e serviços, assim como as empresas descentralizadas, necessitam manter escrituração destacada de todos os atos diretamente relacionados com o rateio das despesas administrativas;


(vii) não pode ocorrer na operação qualquer margem de lucro no reembolso;


(viii) a operação não pode configurar pagamento por serviços prestados pela empresa centralizadora.


Dessa forma, atendendo a esses pressupostos os reembolsos recebidos por empresa centralizadora como resultado de rateio de custos e despesas, não são considerados receitas para fins do IRPJ e da CSLL, assim como não o são para fins de PIS e COFINS.


Resta atenção, para as empresas que possuem esse tipo de operação e/ou estão analisando a mesma, com os aspectos acima mencionados no tocante ao contrato de rateio de despesas, o parâmetro para a definição desse rateio, a forma de contabilização e as característica dos gastos para todas as empresas envolvidas no acordo de rateio de gastos, e a razoabilidade de gastos envolvidos para as naturezas de atividades enquadradas no reembolso das despesas.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page