top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

A PANDEMIA E O ITCMD

Um dos efeitos da pandemia, efeito não tão evidente e grave em comparação a outros de ocorrência mais impactante, mas efeito perceptível, tem relação ao ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer bens e Direitos).


O efeito relacionado a pandemia materializou-se com o urgenciamento de famílias tratarem, mais ativamente, de planejamentos sucessórios, e movimentações patrimoniais, precavendo-se de possíveis impactos pela covid em sua estrutura familiar, o que urgenciou a realização de operações de doações de bens, mas mantendo o usufruto do mesmo com seus patriarcas ou com seus gestores patrimoniais.


Outros motivos que também resultaram no aumento de operações sujeitas ao ITCMD estão relacionados a possibilidade de aumento desse impostos, pela dificuldade de caixa enfrentada pelos Estados, e também pelo Projeto de Resolução do Senado Federal de número 57/2019, que propõe o aumento desse imposto (ITCMD) elevando sua alíquota máxima de 8% para 16%.


Essas situações, fizeram as transações sujeitas ao ITCMD, em 2020, terem aumento considerável de maneira preventiva a efeitos indiretos trazidos pela pandemia


Nesse cenário, o que chamou a atenção foram decisões judiciais que barraram a tributação exigida por alguns Estados no momento da extinção do usufruto, ou seja, incidência do ITCMD na doação com a clausula de usufruto, e nova tributação, na etapa seguinte com o mesmo bem, com a extinção do usufruto. As decisões judiciais que tratam do tema, e barram essa segunda tributação, são dos Tribunais de São Paulo e Minas Gerais.


Atualmente o ITCMD tem tributação entre 4% e 8% dependendo do Estado onde a operação sujeita a ele venha a ser realizada.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comentarios


bottom of page