top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

MAIS UMA INFORMAÇÃO SOBRE O ICMS E A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS

A Receita Federal, divulgou a Instrução Normativa RFB número 1911/19 que trata do PIS e da Cofins, e do PIS-Importação e Cofins – Importação.


A divulgação, diz a Receita Federal, vai na linha promulgada pelo Governo Federal de simplificação da vida das empresas, objetivando juntar em um único instrumento normativo todas as orientações sobre a apuração, cobrança e fiscalização dessas contribuições. Essa centralização, fez com que, a IN RFB n ͦ 1911/19 tenha 765 artigos.


Tema que está no auge das discussões sobre essas contribuições quando relacionadas a receita e faturamento das empresas, tem relação com o fato do ICMS compor, ou não, a base de cálculo das mesmas. Tratamos muito desse assunto em nossos informes no tocante a decisão do STF _ Supremo Tribunal Federal, de março de 2017, e embargos de declaração apresentados a Esse Tribunal pela PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, em outubro de 2017. A polêmica atual sobre o assunto é grande, e o STF vai analisar os embargos no próximo dia 05/12/19. Até lá a Receita Federal vai se posicionando conforme, por exemplo, a Solução de Consulta COSIT número 13/18.


Agora, a IN RFB número 1911/19 também trouxe posicionamento a questão, indicando que para o cumprimento de decisões judiciais, com transito em julgado, que tratem da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, essa exclusão deve referir-se ao ICMS mensal a recolher, sendo que para essa identificação, deve ser utilizado o código de situação tributária (CST) das contribuições, utilizando-se adicionalmente a proporção da receita bruta de cada um desses CST sobre a receita bruta total, sendo o ICMS a recolher identificado através da EFD (ICMS/IPI), ou no caso de dispensa de uso dessa escrituração, pela guias de recolhimento do imposto, ou, outra forma de apuração e identificação desse ICMS definida pelo Estado da localização da empresa. Assim, o ICMS a recolher, deverá ter a identificação de sua parcela a excluir de cada base de cálculo mensal das contribuições de acordo com a CST das mesmas.


A preocupação de muitas empresas, com ações já transitadas, fica por conta de entenderem ser o ICMS a excluir da base de cálculo do PIS e da Cofins, aquele destacado em NF, e o posicionamento da Receita através, agora, da IN 1911/19, reforça ser ele o ICMS a recolher no mês de apuração.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page