top of page
Buscar
  • Foto do escritorGrupo Bahia & Associados

ESSENCIALIDADE, RELEVANCIA, E IMPRESCINDIBILIDADE

O princípio constitucional da não cumulatividade, relacionado a empresa ter o direito de apropriar créditos nas aquisições de produtos, mercadorias, e serviços, que posteriormente irão compor ou farão parte de produtos, mercadorias, ou serviços, relacionados a sua atividade fim, sua geração de receita operacional, é um patrimônio da empresa. Exercer o direito a esse crédito, apropriá-lo com segurança, utilizá-lo dentro das determinações da legislação, é uma das fortes competências  que a empresa deve ter e praticar, afinal ela pagou por  aquele crédito, como componente do preço que o fornecedor lhe destinou.


Há pouco mais de vinte anos, essa análise de crédito estava relacionada ao conceito de aquisição de itens para revenda e a aquisição de itens para uso na produção sendo que ai, utilizava-se o conceito de matéria prima, material intermediário, e material de embalagem. Já tínhamos nessa fase, certa complexidade na análise, pois, por exemplo, o material intermediário de produção, na visão fiscalizatória, deveria ser consumido de imediato no processo industrial, ou, deveria de forma rápida perder suas características físico-química, ou deveria, da mesma forma rápida, perder condições de uso posterior. O direcionamento para essa análise, estava associado a ser ele consumido  no processo industrial, mas não estar identificado fisicamente no produto final. Como exemplo, podemos citar uma fábrica de móveis que tem a lixa de madeira como um material intermediário de produção, ou seja, no produto final, se identifica a madeira, a estrutura de ferro, o parafuso, a dobradiça -matérias primas -  mas sabemos que para se ter aquele produto final em condições de venda e uso, consumiu-se no processo de sua fabricação lixa, ou mesmo uma flanela, ou uma broca, etc... – materiais intermediários - Já o material de embalagem, deveria ter a característica de identificação e divulgação do produto e do seu fornecedor, deveria manter a qualidade do produto para uso até chegar ao  consumidor final, deveria ter em termos de controles internos, apontamentos financeiros, que demonstrassem fazer ele parte do custo e da precificação de fornecimento, diferentemente da embalagem para transporte que não tem qualquer objetivo de divulgação, de manutenção de qualidade para uso, e de venda, ou seja, é de simples acomodação de itens para transporte.


De forma mais recente, essa complexidade teve um aditivo , desta vez relacionado ao PIS e a COFINS nas modalidades de não cumulativos, ou seja, modalidade que prevê a apropriação de créditos dessas contribuições. Novos conceitos para fins de apropriação de créditos, como essencialidade, relevância e imprescindibilidade surgiram e devem ser aplicados de forma criteriosa pelas empresas, afinal a apropriação legal desses créditos, é fator que pode impactar em custo, despesas, resultados, e geração, ou não, de contingencias futuras.


As publicações abaixo, trazem matérias do Grupo Bahia Associados sobre esse tema.


É importante que as empresas  avaliem o mesmo de forma centrada em suas operações, ou seja, o que de fato é essencial, relevante, e imprescindível para elas alcancem os seus resultados operacionais, isso atualmente está atrelado não somente a maximização do crédito, planejamento tributário, é até planejamento de fluxo de caixa relacionado e base em  tributos,  mas também por conta da aproximação da reforma tributária.


Boa leitura!




5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A NOVELA DA DESONERAÇÃO

Com efeitos imediatos, o  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, atendeu a solicitação  do governo e do Congresso Nacional, suspendendo  por 60 dias a liminar que havia derrubado

PREÇO DE TRANSFERENCIA

Questão interessante chegou ao Judiciário. Uma empresa de São Paulo, obteve liminar na Justiça Federal, para não aplicar em suas operações, as novas regras de preço de transferência (transfer price).

Comments


bottom of page